segunda-feira, 21 de setembro de 2015




Estrutura e Programação do 1º Fórum Infância Protegida BH


DATA: Sábado, 26 de setembro de 2015
HORÁRIO: 08:00hs as 12:00hs / 13:30hs as 17:00hs (04 Módulos de 01:30 Horas + Intervalos)
PREVISÃO DE PARTICIPANTES: 300 pessoas.
OBJETIVO 
Potencializar a política de atendimento à criança e ao adolescente visando à implementação, fortalecimento e qualificação das ações de promoção e proteção da criança e do adolescente, dentro e fora do âmbito governamental, a partir da proposta de:
- Formação na área específica sobre políticas para infância, em especial focando aspectos da prevenção e promoção social;
- Fortalecimento e potencialização da articulação entre os órgãos do sistema de garantia de direitos, integrando as políticas sociais e a rede de atenção às crianças, adolescentes em contextos de vulnerabilidade;
- Ampliação da capacidade e possibilidade de intervenção pelos órgãos, organizações, profissionais em geral e da comunidade local;
- Conscientização quanto aos riscos da erotização na infância e a relação e consequência com a má utilização dos meios de comunicação de massa;
- Educação e orientação a partir de casos reais de violência, exploração e abuso sexual de crianças e adolescentes visando despertar a atenção quanto aos sinais e sintomas de crianças e adolescentes vítimas da pedofilia. 
PROGRAMAÇÃO 

08:00hs - Credenciamento 
08:20hs - Abertura
08:40hs - Tema 01: Erotização infantil / Mídia, comportamento infanto-juvenil e sexualidade. (Washington de Sá)- O mundo virtual é hoje um dos principais vilões na erotização e exposição vulnerável de crianças e adolescentes. Como a escola e a família podem lidar com este tema tão complexo?  Atualmente próximo de 60% dos acessos a sites pornográficos no Brasil é feito por crianças. Como protegê-las? Fotos, vídeos, chats, facebook, WhatsApp. Como as crianças lidam com o mundo virtual?
10:10hs – Intervalo
10:30hs - Tema 02: Bullying e Cyberbullying - Orientações legais e práticas com a pedagogia da paz". (Dra. Aloma Felizardo)
O fenômeno do bullying presencial e virtual tem atingido quase 50% dos estudantes, quando sabemos suas características é mais fácil agir, para prevenir e intervir nos casos de intimidação que podem chegar à violência, evasão escolar e Poder Judiciário.   
12:00hs - Almoço 
13:30hs - Tema 03: Evasão escolar - Estratégias e orientações legais e práticas para escolas e famílias. (Dr. Sérgio Harfouche) - O PROCEV – Programa de Conciliação para prevenir a evasão e a violência escolar, tem como objetivo principal, sucesso do aluno em sala de aula e a permanência proveitosa do aluno na escola, aliada a participação dos pais ou responsáveis e a gestão escolar na construção dos valores e responsabilização de seus atos, inerentes à formação de estudante para ser um cidadão capaz de se posicionar de maneira autônoma, responsável, crítica e criativa diante do mundo e da vida.

15:00hs - Intervalo
15:30hs - Tema 04: A Prevenção do abuso sexual contra crianças. (Guilherme Schelb) 
O objetivo deste tema é despertar as pessoas para a defesa da infância, contra o abuso sexual, a pedofilia e a pornografia. Serão apresentadas orientações práticas para identificar, prevenir e encaminhar situações suspeitas envolvendo crianças e adolescentes. É importante salientar, que não apenas estas situações de violência, mas muitas outras questões (envolvimento com drogas ou criminalidade, por exemplo) podem ser identificadas com muito maior rapidez se treinarmos nosso olhar para observar o comportamento e atitudes das crianças, dos adolescentes em seus ambientes de convívio. 
17:00 - Encerramento



  • OBJETO
Fórum temático visando à formação, capacitação e desenvolvimento de agentes públicos, profissionais diversos, pessoas envolvidas em projetos sociais e cidadãos interessados com o tema.
  • DESCRIÇÃO DA PROPOSTA
Colaborar com o fortalecimento do sistema de garantia dos direitos da criança e do adolescente no município de Belo Horizonte, com ênfase no enfrentamento a violência, abuso e exploração sexual e promoção de ações em rede. A proposta tem como objetivo contribuir para:
  • Consolidar processos e ações existentes na proteção e inclusão social de crianças/adolescentes, tendo em vista a promoção e a defesa dos direitos, conforme preconiza o Estatuto da Criança e do Adolescente;
  • Potencializar e qualificar o atendimento social prestado à criança/adolescente no município, oferecendo melhoria na condição de vida deste público alvo;
  • Articular ações que fortaleçam e apoiem a estruturação e aperfeiçoamento da rede local de atendimento, promoção e proteção de crianças e adolescentes.
  • Potencializar a política de atendimento à criança e ao adolescente visando à implementação, fortalecimento e qualificação das ações de enfrentamento a violência, abuso e exploração sexual.

Público Alvo

Profissionais da rede de educação, do CRAS, CREAS, unidades de saúde, membros de conselhos de políticas públicas 
(criança e adolescente, educação, juventude), conselheiros tutelares, líderes e membros de igrejas, associações comunitárias, 
trabalhadores do campo da assistência social, rede de saúde, integrantes de Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente, 
representantes do Ministério Publico, Judiciário, Defensoria Publica, Pais, Mães, religiosos e pessoas interessadas pelo tema.

Metodologia


Realização do fórum temático que abordará estratégias e possibilidades para o enfrentamento à 
violência, abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.

Considerações Gerais

Poderá ser adquirido material complementar ao fim de cada palestra. Livros, CDs, DVDs, Pen drive etc. 
O fórum será organizado dentro de uma carga horária de 09 horas.

Palestrantes

A proposta do Fórum é despertar e motivar famílias, professores e escolas a melhor defenderem a infância. 
O objetivo é preparar e orientar a sociedade civil e o poder público a prevenir a violência infantojuvenil e a intervir e encaminhar, 
de forma legal e prática, situações de risco envolvendo crianças e adolescentes.

Dr. Guilherme Schelb

Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), Procurador da República e Mestre em Direito Constitucional. Palestrante sobre temas da infância há mais de 20 anos. Autor de vários livros sobre educação, escola e família. Idealizador do PROTEGER - Programa Nacional da Prevenção da Violência e Criminalidade Infanto-Juvenil. Membro da Igreja Comunidade das Nações (DF).

Tema: A Erotização da infância e a pedofilia como estratégias da nova revolução marxista.

Dr. Sérgio Harfouche

Promotor de Justiça da Infância e Juventude do Ministério Público de Mato Grosso do Sul desde 1992, Integrante da Comissão Permanente de Educação do Grupo Nacional dos Direitos Humanos da Presidência da República (GNDH). Idealizador do ProCEVE Programa de Conciliação para Prevenção da Evasão e Violência Escolar (MS). Pastor da Igreja Batista Palavra Viva (MS).

Tema: Prevenção do abuso sexual. Responsabilidades e cuidados no ambiente escolar.

Pr. Washington de Sá

Pastor da Igreja Batista da Lagoinha (MG). Pesquisador e Professor de comportamento infanto-Juvenil. Palestrante dos temas mídia, comportamento infanto-juvenil e sexualidade desde 2007. Coordenador do Espaço Infância Protegida, Programas Proteger Cidades, Proteger BH e Salve Sua Família (blog.salvesuafamilia.com.br). Membro e Coordenador de projetos e programas para crianças e adolescentes do IPG BR - Instituto de Políticas Governamentais do Brasil.

Tema: A mídia na erotização das crianças.

Dra. Aloma Felizardo

Aloma Felizardo, Doutoranda em Psicologia Social, Mestranda em Sistemas de Resolução de Conflitos, Facilitadora em Justiça Restaurativa, Mediadora Transformativa de Conflitos e Licenciada em Pedagogia. Autora de vários livros e artigos publicados no Brasil e na Argentina. Especialista em bullying e cyberbullying. Idealizadora e palestrante internacional do Programa Bullying e Cyberbullying: Abraço pela Paz atua na área da educação desde 2009. Membro da Igreja Monte Sião e Integrante da Equipe Ministério Ágape Reconciliação (SP).

Tema: Bullying e cyberbullying: orientações legais e práticas com a pedagogia da paz.

contatos:
Tel: (31) 3421-5018
forum@infanciaprotegida.com.br
contato@infanciaprotegida.com.br

Inscrições:
 http://infanciaprotegida.com.br/index.php?fip=inscricao

quinta-feira, 21 de maio de 2015

A LENHA SECOU, SENHOR!


(Uma reflexão sobre a redução da maioridade penal)
Então os soldados levaram Jesus. No caminho, eles encontraram um homem chamado Simão, da cidade de Cirene, que vinha do campo. Agarraram Simão e o obrigaram a carregar a cruz, seguindo atrás de Jesus. Uma grande multidão o seguia. Nela havia algumas mulheres que choravam e se lamentavam por causa dele. Jesus virou-se para elas e disse: Mulheres de Jerusalém, não chorem por mim, mas por vocês e pelos seus filhos! Porque chegarão os dias em que todos vão dizer: “Felizes as mulheres que nunca tiveram filhos, que nunca deram à luz e que nunca amamentaram”. Chegará o tempo em que todos vão dizer às montanhas: “Caiam em cima de nós”! Porque, se isso tudo é feito quando a lenha está verde, o que acontecerá, então, quando ela estiver seca? (Lucas: 23.26-31). 
A lenha secou, como o senhor previa! As mães continuam chorando seus filhos por mortes violentas e sem sentido! O Estado acredita que pode levar a paz para uma comunidade onde vivem famílias trabalhadoras por meio da guerra. Ele chama de guerra ao tráfico mas na verdade a guerra é contra pais e mães que vivem ali buscando criar seus filhos! 
A lenha secou, Senhor, pois o Estado deveria garantir escola de qualidade e posto de saúde com médicos e medicamentos; o Estado deveria garantir que o Eduardo de Jesus tivesse opções de desenvolver seus talentos no futebol ou em outro esporte qualquer, na música ou arte; sim, Senhor, este Estado que foi constituído para proteger os mais fracos se tornou o assassino de crianças como o Eduardo de Jesus, de apenas 10 anos. 
A lenha secou, Senhor, pois no Brasil criou-se uma falácia, uma mentira que o Senhor tanto condena, que as crianças, adolescentes e jovens são os responsáveis pela violência em que se encontra nossa sociedade. Veja, por exemplo, esses números: “Dos 21 milhões de adolescentes brasileiros, apenas 0,013% cometeu atos contra a vida. Na verdade, são eles, os adolescentes, que estão sendo assassinados sistematicamente. O Brasil é o segundo país no mundo em número absoluto de homicídios de adolescentes, atrás da Nigéria. Hoje, os homicídios já representam 36,5% das causas de morte, por fatores externos, de adolescentes no País, enquanto para a população total correspondem a 4,8%. Mais de 33 mil brasileiros entre 12 e 18 anos foram assassinados entre 2006 e 2012. Se as condições atuais prevaleceram, outros 42 mil adolescentes poderão ser vítimas de homicídio entre 2013 e 2019 (Unicef) 
A lenha secou, Senhor, pois a nossa sociedade escolhe quem deve morrer. Sim, desses números acima a grande maioria são crianças e jovens cheios de sonhos e esperanças de dias melhores, são negros e pobres que vivem em comunidades carentes e nas periferias das grandes cidades, como o Eduardo de Jesus. Esse Estado que colocou uma bala na cabeça do Eduardo de Jesus, fazendo-o agonizar na frente de sua mãe, assim como o Senhor agonizou na cruz, diante da sua, não levou pra ele e seus amigos escola, saúde e lazer. 
A lenha secou, Senhor, pois vivemos numa sociedade onde predomina a impunidade. Veja o Senhor que penas 8% dos homicídios no Brasil são investigados e punidos. Em 92% dos casos eles não são solucionados, pois nosso sistema de investigação é falho e nossas polícias preferem usar a força indiscriminadamente, como no caso do Eduardo, a usar a inteligência e os recursos de apuração hoje existentes. 
A lenha secou, Senhor, pois os parlamentares responsáveis por fazer leis, com a desculpa de dar satisfação a uma sociedade vingativa, preferem agir hipocritamente tentando rebaixar a maioridade penal, como se isso fosse resolver os problemas da violência. Pura falácia! Assim como no tempo do Senhor, em que as autoridades inventaram mentiras para lhe condenar a morte, são todos mentirosos, filhos do pai da mentira, como o Senhor condenou abertamente em seu tempo de lenha verde! Na verdade, esses mesmos parlamentares fazem teatro para a sociedade para não tocarem nos reais problemas da criminalidade e impunidade no Brasil. Sim, Senhor, pois eles mesmos são acusados de crimes, gozam da impunidade que predomina em nossa sociedade e são acobertados por terem foro privilegiado  66% dos deputados da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania respondem por crimes na justiça. 
A lenha secou, Senhor, pois assim como o povo manipulado pelas autoridades civis e religiosas da época pediram a sua crucificação, hoje a população cheia de ódio e desejo de vingança pede a crucificação dos jovens que cometem crimes, como se eles não tivessem o direito a uma nova oportunidade na vida! 
A maldade contra o Senhor foi grande naqueles tempos onde a lenha estava verde. A lenha hoje secou, Senhor, e a maldade contra os inocentes virou consenso. As pessoas se julgam do bem ao desejarem a morte de inocentes. Por outro lado nós como evangélicos e cristãos vivemos debaixo e a partir da graça salvadora de Deus revelada em Jesus Cristo. A partir de Jesus devemos olhar para todo ser humano seja este o “maior pecador” com o olhar misericordioso e compassivo de Deus, não existe ser humano perdido para Deus. Nossas igrejas estão cheias de homens e mulheres que o mundo não acreditava mais e que foram resgatados pelo amor redentor de Deus em Jesus pois o amor de Cristo foge completamente do padrão do mundo e sempre vê o outro como um ser digno e merecedor de uma nova oportunidade. Em se tratando de adolescentes e jovens até os 18 anos nossa esperança deveria ser ainda maior nesse ser humano. Nesse tempo de lenha seca devemos clamar: Que venha, pois, o Teu Reino, Senhor. Que a Tua vontade seja feita aqui na terra assim como é feita no Céu!

Autor: Pr.  Welinton Pereira. Assessor de Relacionamento Institucional e Advocacy da Visão Mundial , sobre a Redução da Maioridade Penal.